sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Crítica a religião

Por Raphael Nascimento.






O que pensar sobre a religião hoje? Uma ideologia que faz gerar muito dinheiro e preconceitos por pensamentos contrários que ao em vez de trazer paz e tolerância e amor ao próximo separa o ser humano e o transforma em grupos, cada um crendo de uma forma diferente e querendo impor sobre outras pessoas a este pensamento, e ao seguir anos surgem novos gupos que divergem novamente sobre o pensamento dos seus líderes sobre a religião revelada.. O que acaba transformando as pessoas em verdadeiras pessoas alienadas, que em vez de se preocuparem com a questão dos problemas sociais e buscarem seus direitos perante eles.. Os alienados estão preocupados em perseguir pensamento contrários, e veneram algo inexistente ao nosso mundo material, além de transformarem a filosófia uma grande fonte de renda onde é fácil manipular a população  porque o que é racional ja não é mais o X da questão.. Então começam a explorar a racionalidade das pessoas onde o aqui ja não é o mais importante. O mais interessante é que se o aqui não fosse o mais importante o que estariamos fazendo aqui?A questão é tirar o pensamento dos religiosos desta terra e elevar ao mundo duvidoso, onde com isso podem explorar a vontade a imbecilidade de algumas pessoas quando o que é real ja não é mais o certo.. E qualquer conversa que tiver com elas você será considerado uma pessoa enviada do mal ou possuida por este mesmo.
Aonde entra o Deísmo nesta questão? Nos deístas brasileiros da UBD pretendemos devolver denovo a racionalidade humana e acordar a nação brasileira, acabar com essas divisões que a religião revelada causa, queremos dizer a eles que existe um criador ou uma força criadora.. E que o ateísmo ja não é mais a solução existe um ponto no meio da balança entre as extremidades que significa o equilibrio a não crença em Deus e a crença revelada.. Que a felicidade e a liberdade de expressão estão abertos pra todos sem nenhum preconceito étnico, nacionalista, sexual ou social imperando a questão e sim uma questão de respeito mutuo e amor a um mundo melhor.
Somos um grupo pequeno queremos divulgar o Deísmo sem nenhuma forma de forçar as pessoas acreditaram e sim mostrar para elas que existe um novo caminho racional pouco conhecido, que pode ser seguido.

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Um deísta no século XXI







Por Joseclei Nunes.
Edição: Thiago Henrique Gonçalves.

2010, século XXI.

  Nos dias de hoje, nossa sociedade vive uma tradição em que talvez certas questões não fossem postas à prova. Vivemos num mundo multidiversificado, onde as crenças são inclusas nesse aspecto. Dentro desse panorama, onde se enquadra o deísta?
   Desde o surgimento do iluminismo no século XVII, começamos a questionar coisas que naquela época era morte certa, com inquisição na Espanha, em Roma e em muitos lugares da Europa, passou a se questionar o que realmente é verdade dentro do que nos ensinaram a aceitar como a verdade.
   Passando por muitos anos e chegando ao século XXI, começamos a questionar se tudo que se prega pela tradição, é realmente verdade.
   Hoje o mundo é dividido em muitas crenças, muitas formas de se ver Deus, e muitas formas de se ver Jesus, Maomé, Buda, nisso observamos que muitas pessoas que seguem a esses seres “evoluídos”, fazem o oposto ou esquecendo a essência do que seus líderes idealizaram.
   E onde fica o deísmo nisso? Se olharmos e analisarmos o mundo hoje pela óptica deísta, notamos que, cada um de nós vai pensar de formas diferentes, pois o deísmo é isso, te proporciona certa liberdade de análise, em que e como você pode acreditar, mas como fica o deísmo em pleno século XXI?
   Hoje observamos formas de crenças e não crenças, como por exemplo, em países protestantes, onde agora são ateus, como em países católicos, onde tem que se dividir sua popularidade com os protestantes e islãs e com o crescimento da literatura ateísta.
  Em comparação à força e tamanho das religiões, e do ateísmo, o deísmo não tem forças suficientes para ser exposto e respeitado, bem quisto como filosofia e ideologia de vida, apesar de ícones da humanidade ter sido adeptos a tal filosofia e ideologia, tais como: Rousseau, Voltaire, John Locke, Thomas Paine, e Anthony Flew que a pouco expôs em seu livro Deus existe, que deixou de ser ateu para se “converter” ao deísmo.
   Mas o deísmo ainda tem a muito a oferecer. Com as guerras religiosas e as formas preconceituosas e ditatoriais de suas respectivas religiões, muitas pessoas acabam se afastando de suas crenças e acabam virando ateus ou agnósticos, e não deístas, mas porque não, porque é muito mais fácil você virar ateu ou agnóstico do que ser deísta, mas na verdade, muitas dessas pessoas acabam sendo deístas e por não conhecerem, viram ateus ou agnósticos.
  O deísmo te da à liberdade que muitas religiões teístas não dão, porque elas acreditam em livros que se dizem sagrados e te regra de o que é certo ou errado, mas se virmos no antigo testamento, Deus te da o livre-arbítrio para você escolher o seu próprio caminho, e é isso que o deísmo, em tese oferece, pois você continua crendo em um Deus da sua própria forma sem depender em ficar preso a um tipo de doutrina, pois invés de pregar o amor como seus profetas, se mata para ganhar mais membros e forças, pois você pode crer de sua forma, utilizando a razão e até mesmo seguir a esses “indivíduos de luz” da forma do seu entender.
  O deísmo é isso, mas para um dia poder conhecer, é pesquisando e usando sua própria razão, mas sempre em prol do bem e sem preconceito ao próximo. 

domingo, 31 de outubro de 2010

Pode o Deísmo ajudar a conter a onda de violência religiosa?









Em todo argumento é uma boa ideia encontrar algum tipo de terreno comum para que os lados opostos possam concordar. Atualmente, temos basicamente adeptos das três grandes religiões abraâmicas "reveladas" religiões do judaísmo, cristianismo e islamismo atacando e matando uns aos outros sobre as suas diferenças religiosas. Sobre a única coisa que todos concordam é a existência de Deus.A crença exigida apenas em Deísmo é a crença na existência de Deus. Mesmo que os deístas acreditam em Deus baseada na aplicação de sua razão sobre os projetos na Natureza, que eles acreditam que pressupõe um designer, que faz o deísmo uma crença religiosa natural, deístas param por aí. Não há adição ao homem de dogmas, rituais e doutrinas que são tão propícias a conflitos e lutas. E não há sacerdotes para liderar as tropas.
Os deístas abraçam uma dependência da razão sobre a fé. Os deístas concordam com a afirmação do francês deísta Voltaire, que escreveu: "O que é fé? É acreditar que o que é evidente? Não. É perfeitamente evidente para mim que existe uma necessidade, eterno, supremo, e ser inteligente. Esta não é uma questão de fé, mas da razão. " Esta abordagem para a crença em Deus limita severamente o clero danos e os políticos podem fazer para as pessoas, colocando mais importância em razão do que ele faz sobre a fé. É muito mais difícil manipular as pessoas, apelando para a razão de sua fé.
Devido à ausência de questões controversas como dogmas, rituais e doutrinas no deísmo, o deísmo já está anos-luz mais perto de travar a onda de violência religiosa. A promoção da razão dada por Deus ajuda as pessoas atoladas numa "revelação" a religião para ver que Deus nos deu o dom da razão e também que meros homens escreveram as escrituras de seu especial "revelado" a religião. Portanto, se alguma coisa, algum dogma ou doutrina, na religião se opõe à razão, que o dogma ou doutrina irracional, que é homem, tem que ir.
Uma objeção ao deísmo desempenha um papel importante na contenção da onda de violência religiosa é que as pessoas não vão desistir de seus dogmas religiosos, doutrinas e rituais. À primeira vista isso parece ser válido. No entanto, objectivamente olhar para ela, vemos que os acontecimentos da história e a atual prova desse argumento falso.
Desde o início da humanidade, as pessoas têm mudado suas religiões. Muitas vezes a mudança foi por causa do medo da violência. Isso é como o cristianismo "convertidos" a maioria da Europa e Islã "convertidos" a maioria do Oriente Médio. (Os hebreus / judeus não eram grandes nas conversões como o deísta Thomas Paine aponta em A Idade da Razão , escrevendo: "Os judeus não fizeram converter, eles massacraram todos.") Após o advento da Era do Iluminismo, quando começaram as religiões a perder o seu poder absoluto sobre as pessoas e a sociedade e não podia mais usar a violência como um meio de converter pessoas novas e para manter seu rebanho em linha, as pessoas continuaram a mudar de religião em um ritmo ainda maior. A realidade das pessoas a mudar sua religião faz com que o cristão velha canção, Faith of Our Fathers, sem sentido.
Tanto quanto os contemporâneos renunciaram à sua religião revelada por Deísmo, a União Mundial dos deístas tem uma seção em seu site,www.deism.com, que dedicou aos escritos de pessoas que deixou uma religião revelada para o deísmo, bem como pessoas que deixaram ateísmo e agnosticismo de deísmo. A seção é Deísmo Por que? Olhando para estes escritos vemos Deísmo tem contato com as pessoas de todo o aspectos de religiões reveladas. Há pessoas que vêm de uma formação cristã, incluindo a maioria das denominações do cristianismo, tais como unitarista, católicos, batistas, mórmons, Menonita, Igreja Adventista do Sétimo Dia ea Igreja de Deus, assim como muitas outras denominações cristãs. Há também pessoas que vieram da religião islâmica e revelou a fé Baha'i. Além disso, há uma alta porcentagem de pessoas que eram ex-membros do clero nas várias religiões reveladas que deixaram tudo isso para trás, para o deísmo. Isso mostra o poder do deísmo de motivar não só os leigos, mas também membros do clero que passaram anos de suas vidas e quantidades significativas de dinheiro estudando para se tornar um membro do clero a dar tudo por deísmo.
Adicionar ao presente recurso Deísmo tem para as pessoas que já estão em uma religião revelada, o fato de que cerca de 34 milhões de pessoas nos Estados Unidos já têm crenças Deísta, mas com toda a probabilidade não estão mesmo cientes de que suas crenças têm um nome e que não está sozinho nessas crenças como a American Religious Identification Survey 2008 deixa claro, e o potencial para o deísmo a crescer a ponto de realmente fazer uma diferença muito significativa no esforço para deter a violência religiosa se torna muito evidente. Nas pessoas com crenças ARIS Deísta são classificados como "nonas". Nones são definidos como pessoas "que não se identificam com qualquer um da miríade de opções religiosas no religioso mercado americano - os irreligiosos, o não, a anti-religioso e anti-clerical. Alguns acreditam em Deus e alguns nem isso ". O relatório também afirma que das nonas", uma pequena minoria ainda ateus. "Isto significa que a vasta maioria das nonas são deístas apenas quem não sabe. Esta realidade de pessoas que deístas sem realmente conhecê-lo também é um traço comum na maior parte dos escritos do "Por deísmo" do deism.com. Os textos também mostram como o alivio das pessoas ficam felizes quando percebem que suas crenças têm um nome e que eles não estão sozinhos em suas crenças.
Como vemos mais e mais violência religiosa é encorajador perceber que temos um poder praticamente inexplorado no deísmo que, se for dada a oportunidade, pode ir um longo caminho para acabar com a violência religiosa.

sábado, 30 de outubro de 2010

Deísmo e Ateísmo


Deism.jpg (501×419)



Por: Peter Murphy


A questão que se coloca é sobre a natureza: é uma criação eterna a natureza? Ou de um acidente dentro da natureza.  O deísta vai afirmar que é uma criação, mas deístas diferem quanto ao grau de envolvimento por parte do Criador no processo.  O ateu vai contar que ele seja eterno, ou acidental.  A resolução final do problema será resolvida eventualmente pela ciência. Para começar, vamos olhar a natureza como sempre mudando e moldando a pintura.  A ciência tenta compreender do que a pintura é composta, a relação das tintas individuais, e as pinceladas que estão envolvidas no produto final.  Mas, o que sobre o pintor?  Se admite que a natureza é semelhante a uma pintura, que ela não está muito longe a um salto para concluir que existe um pintor, ou pelo menos existia em um tempo.

 O ateu sempre recorre à falácia lógica conhecida como ad argumentum Verecundiam (recurso ao pudor) quando se trata de deístas e teístas.  O apelo aqui é para a ciência como uma autoridade que não pode ser contestada.  Infelizmente, esse recurso é atormentado por seus próprios problemas.

 Primeiro de tudo, a ciência não faz nenhuma reivindicação a respeito de Deus de uma forma ou de outra, por isso não são os cientistas que estão a maior parte alegando que Deus não existe, alegando que há falta de provas, mas o leigo 
científico afirmando-a.

 Em segundo lugar, a ciência de todas as suas grandes realizações ainda está na fase infantil, há muito sobre a natureza simplesmente não se sabe tudo, mesmo neste planeta.  Portanto, para concluir que é uma disciplina que tem limitações, aqui e agora, de alguma forma pode-se concluir que algo além de sua capacidade imediata de estudo é a última palavra, logicamente falando, uma falácia.

A própria ciência é um pouco preconceituosa também.  Ela sofre de miopia, o que não se pode observar diretamente ou indiretamente, ela ignora.  Coisas como a memória pode ter uma base na biologia, mas é seguro concluir que a biologia é só por aqui?  Ninguém jamais viu uma emoção, ou uma lembrança, mas elas existem.  Portanto, não é exagero concluir que há mais na natureza do que observamos em nosso próprio canto limitado da mesma.  A ciência apenas tocou a ponta do iceberg científico, a ciência não pode ser usada para descartar a idéia de que um Deus pode existir.  Se não se pode compreender verdadeiramente um grão de areia, então não se pode compreender a praia.

 Então onde se encontra o deísta?  O deísta reconhece as limitações da crença, mas ainda possui a coragem de acreditar.  A crença em Deus não é ilógica mais do que a crença em formas de vida extraterrestre. Entretanto, apesar da atual falta de provas para as formas de vida ET, poucos cientistas atrevem definitivamente demiti-los.  Aceitam que formas de vidas extraterrestres podem existir, então deve-se concluir que tais formas de vida poderia ser muito superior a nós em conhecimento e poder - se assim for, então Deus é em certo sentido, poderia ser considerado como uma forma de vida ET, bem .  Ou, mais precisamente uma forma de vida extradimensional.  Tal ser, ou seres, não podem  ser julgados como impossibilidades.

 As exigências que o ateu deísta ou teísta, a comprovar a existência de Deus.  Eles sempre recorrerá a falácias lógicas próprias, por exemplo, um dos mais comuns é a petição de princípio implorando a pergunta) falácia (, mas é algo parecido com isso: Deus não existe, porque nós não encontramos nenhuma evidência de Deus na natureza.  Mas isso é verdade?  Não. Nós hoje não sabemos o suficiente sobre a natureza para fazer a tal conclusão, finalmente, a possibilidade de que existe um Deus que pode ser comprovado.  O ateu não tem provas de que o universo é eterno ou acidental. Obviamente, há uma grande lacuna entre a especulação e o fato da mente racional.

Nós temos a pintura, mas a julgar que há um pintor é ilógico, se não a provas de que seja uma pintura eterna ou um acidente.  Até agora, o que toda ciência tem oferecido é especulação com base em inferências a partir dos dados disponíveis [o que está longe de estar completo], no entanto, uma vez que a evidência não é completa, nem totalmente compreendidas, as generalizações por ateus no que já existe e não existe são infundadas.

 Ateus gostam de passar o ónus da prova de si para os seus adversários a debater, em suma, o crente em Deus tem de provar a Deus, mas o ateu não vai defender a sua posição de que o universo seja eterno ou acidental.  Muitas vezes essa tática funciona, o crente, em seguida, tentar fazer um argumento para Deus, só para ter a demanda. O ateu quer que o crente primeiro defina Deus de alguma forma clara.  Uma vez que o crente faz esse erro, ele perde o debate.  Estamos ainda no processo de compreensão da pintura, quem está de modo a tentar definir o pintor está fadado ao fracasso, o crente deve reconhecer esta tática, e evitá-lo.  Os deístas devem se sentir livres para declaram abertamente que não há absolutamente nenhuma prova contra um ser criador, ou uma criação, e que todos os céticos têm a oferecer é especulação científica sobre os muitos limitados dados.  Os deístas acreditam que há algo mais, o que não é razoável, é muito mais humano e racional.  Esse "mais" é Deus.  Os deístas estão dispostos a esperar pela resposta e estão mantendo uma mente aberta sobre o assunto, e os ateus temem a espera.  Simplificando não há nenhuma evidência contra Deus, nem há provas contra a criação e o design.  O ônus da prova não reside na mente aberta, mas na dogmática mente fechada, que pressupõe que já sabemos tudo o que há para saber.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

A Bíblia Deísta







De Chuck Clendenen – August 2009 Chuck Clendenen - Agosto de 2009


A Bíblia afirma ser a palavra sagrada de Deus. Os deístas consideram a natureza a palavra de Deus.  Para eles é a verdadeira Bíblia que precisamos  manter em reverência. Não há praticamente nada sobre a qual todos deístas concordam, assim como poderia haver um único livro que todos os deístas reconhececem como sua Bíblia? Eu acho que uma Bíblia  deísta deve ser um trabalho individual ou compilação, embora pudesse ser útil para muitos, é necessário uma estrutura para ajudar a organizar o seu próprio pensamento.. Mas a Bíblia deísta deve ser dinâmica, em constante mutação, sempre em crescimento.

A Bíblia deísta deve ser reconhecida como obra do homem, assim como a maioria dos deístas acreditam. Eu sei que todos os outros textos sagrados foram  trabalho dos homens. Para mim e para muitos deístas, é importante reconhecer e respeitar as religiões mais antigas do que as nossas crenças. O fato de já não acreditar no que as religiões afirmam, não negamos o fato de que essas religiões sustentaram nossos antepassados, e estão fortemente entrelaçadas no tecido da sociedade da qual fazemos parte. Essas são as crenças religiosas dos nossos amigos e parentes. Desrespeitar as suas crenças está a desrespeitar os crentes. Temos, naturalmente, que pedir o mesmo respeito em troca, mas não podemos ter nenhuma expectativa de receber o respeito que nós não estamos dispostos a oferecer. Isso é apenas razoável. Talvez ter um jornal está mais perto para um deísta do que ter uma Bíblia.

Os livros listados abaixo são fluidos, dinâmicos e, como todas as crenças deístas, sujeitas a mudanças. São princípios, não terminam. Estas são algumas das minhas próprias reflexões, mas a maioria são os esforços colaborativos dos deístas em discussão no site PositivDeism, que entrou no calendário deísta de 2009.

A Bíblia deísta cresce como o seu dono. O dono desta Bíblia pode e deve livremente adicionar e excluir seu conteúdo. A Bíblia deve ser um reflexo do pensamento individual de um deísta. Seu conteúdo pode ser público ou privado, como muitos deístas consideram oportuno. A Bíblia deísta contém tantos livros quanto os desejos deístas. Ou, se a idéia de uma Bíblia deísta não funciona para você, rejeite-a completamente.

Genesis

No início, havia outras crenças. E foi bom (ou quase bom). Nós acreditamos que fomos criados para acreditar. Fomos ensinados a amar os nossos vizinhos, mas fora da igreja, parecia que o amor era muitas vezes inexistente. Descobrimos outras diferenças entre o que nos disseram para acreditar e que observamos. Perguntamo-nos, oramos, mas não encontramos respostas, por isso achamos que precisávamos de mais fé. Então, como nós crescemos, nós olhamos a nossa Bíblia, analisamos a nossa fé, e nós descobrimos que aquilo estava errado.


Êxodo

E assim deixamos a fé de nossos pais para trás. Fugimos do que tinha começado a sentir-se como uma bobagem, e nós vagamos pelo deserto. Amigos e família implovam para reconsiderarmos a nossa fé, mas precisávamos de encontrar um lar. Tínhamos chegado a uma percepção de que estávamos vivendo uma mentira, e precisava encontrar a verdade. Depois de passar um longo tempo pesquisando, chegamos à conclusão de que a viagem foi pelo menos tão importante como o destino, e assim nos tornamos deístas, acreditando em Deus, e esforçando para encontrarmos o nosso propósito na vida. E como já viajamos descobrimos que há muitas coisas verdadeiras. Devemos cada um decidir o que é verdadeiro para nós.

Razão

The Book of Reason é provavelmente o livro mais importante para escrevermos a Bíblia deísta. Os deístas depositam sua fé na razão. A paixão pela razão, em todas as coisas é uma característica marcante de praticamente todos os deístas.  Devemos fazer o nosso próprio pensamento crítico. Dogma é um anátema para nós. Razão formas nossos pontos de vista da criação, o Criador e a vida, mas cada um de nós tem nossas razões de forma ligeiramente diferentes, que proporcionam uma maravilhosa e rica diversidade de pontos de vista para compartilharmos.. Razão molda a nossa moralidade.

Natureza

Conhecemo-la por vários nomes: Natureza, da Criação, do Universo. Os deístas  não têm nenhum dogma, nenhuma exigência para adorar, mas se temos alguma coisa em reverência, seria a Natureza. E se damos graças, cabe a providência de Deus através da natureza, porque é da natureza que vem, e é a Natureza que vamos voltar. Nenhuma criação do homem perdurará por muito tempo, mas a Natureza resistirá até o momento que não existir mais.

Experiência

Para crescer, temos de agir. Para agir, é preciso assumir riscos. Quando assumimos riscos, às vezes falhamos. Mas se não conseguirmos ter sucesso ou, quando tentamos, a experiência que ganhamos.  É um ganho e não uma perda.

Dúvida

Nós mantemos nossos olhos no futuro. Nós olhamos para a razão, a natureza e com experiência.  Rejeitamos dogma. Dogma é a autoridade, a crença assente que não pode ser contestada ou posta em dúvida. O curto período em que a Bíblia cristã é "Jesus chorou". A menor pena na Bíblia Deísta seria provavelmente o "deísta dúvida."

Respeito

Quando nós mostramos o respeito aos outros, reconhecemos o valor das suas qualidades pessoais ou habilidades. Nós reconhecemos que o mundo é um lugar melhor com eles na mesma. Nossas crenças não são todas preto e branco e dogmáticas.  Deísmo nos fornece uma rica tapeçaria de personagens e idéias, a maioria das quais podem ser estimados e dignos, e todos  merecem respeito.

Fim

Ser um deísta não é necessariamente fácil. Tornando-se um Deista muitas vezes envolve afastar  de uma fé de que amigos e familiares ainda se apegam. É preciso um forte senso de propósito de resistir à pressão de seus entes queridos, que significa bem, quando pedem que você se apegue ao velho das desconfortável crença. Mas se você está sempre a cumprir o seu propósito de encontrar o seu verdadeiro eu, você deve desviar.

Conhecimento


Os deístas não têm a pretensão de saber toda a verdade. Eles olham para ela em toda parte: na natureza, em muitas obras escritas, nas palavras de um amigo. Conhecimento acena, e a razão renova  nosso curso. Deísmo é uma viagem, não um destino.

Curiosidade


Tudo exige investigação até nós pessoalmente estarmos convencidos de que nós temos a resposta que funciona melhor para cada um de nós. . Curiosidade mantém nossas mentes jovens.

Liberdade

Os deístas são livres-pensadores. Controle, dogma e obediência cega são inimigos do livre pensamento. Os deístas partilham algumas ideias gerais sobre a natureza e criação, mas nós tendemos a acreditar que é muito pouco em termos absolutos ou liquidados. Para ficar vinculado por uma fé inquestionável a um conjunto de crenças dogmáticas religiosas deve ser abafada e sufocada, e nossas mentes deve respirar livre. 

Mente aberta

Mentes abertas são receptivas a novas idéias e possibilidades. Mentes fechadas são estagnadas e irracionais. Mentes Deístas devem ser mentes abertas que são capazes de crescimento, adaptação e aceitação de novas verdades. O organismo que não consegue se adaptar acabará por se extinguir.

Humanidade


Devemos nos esforçar para sermos pessoas melhores, não porque nascemos pecadores, mas porque nascemos ignorantes. Para se tornar humano, devemos perder a nossa ignorância e aprender a bondade e benevolência. Deixar a ignorância de lado e pensar criticamente diminui a nossa humanidade.

Harmonia

A harmonia é muito mais do que a adição regular de duas ou mais coisas. Harmonia é uma bela e agradável mistura de elementos que resulta em todo o ser muito mais do que a soma de suas partes Harmonia é acordo e paz, qualidades essenciais da sabedoria, a que todos aspiramos.

Maravilha

A vida será sempre um mistério, mesmo quando a vivemos.  Uma vida nunca poderia ser o suficiente para ver tudo e resolver tudo.  E assim nossa vida é um interminável processo de descoberta. Há uma nova maravilha a cada esquina, e quando não há mais maravilhas para contemplar, saberemos que atingimos o fim da vida.

Tindal

Tindal  foi um deísta muito influente. E se você é novo ao deísmo (ou mesmo a velho ao deísmo), é uma obra seminal. Mesmo se você não concordar com cada palavra, você vai entender e concordar com muito do que Tindal tinha a dizer se você é um deísta.. 

Paine

  o trabalho veio mais cedo, mas Thomas Paine na Idade da Razão deve ser creditada como uma das melhores representações do deísmo do século 18, especialmente na América do Norte. Se você concorda com as conclusões do Paine ou não, se você acha que Paine é muito negativo ou não, você deve concordar que Paine é provavelmente o mais reconhecido do mundo deísta. Muitos são seus argumentos contra a religião revelada. Paine.Talvez esses argumentos eram necessários nos dias de Paine. Há muitas passagens na Idade da Razão que vale a pena revisitar.

Novo Testamento


O Velho e o Novo Testamento da Bíblia cristã são tão diferentes como a noite e o dia. Da mesma forma, o deísmo hoje é diferente do deísmo de Tindal, Herbert, Paine e Palmer. No  deísmo contemporâneo reconhecemos a sua fundação no deísmo clássico, mas o deísmo hoje faz muito mais do que rejeitar e criticar o cristianismo e a religião revelada. Através de uma aplicação adequada da razão e do respeito que podemos chegar à conclusão de que não é necessário derrubar outras religiões para construir o deísmo.
A Internet ea sua capacidade de disseminar informações de forma ampla e barata causou um ressurgimento do deísmo. Não pode ser considerado uma religião popular, mas certamente é muito mais conhecido do que era de 10-15 anos atrás. Alguns elementos de diferentes abordagens para atrair as pessoas para o deísmo uma ampla variedade de pessoas que procuram um nome para o que elas acreditam.
Comparada com a história do deísmo, este Testamento está ainda em sua infância, mas o deísmo continua a crescer e amadurecer como uma religião, como um sistema de crença, como uma filosofia e como uma visão de mundo. Considere a Aliança e a União Brasileira dos Deístas. Considere diversas abordagens para o deísmo. Há muitos por aí, esperando para ser descoberto. Torne-se um explorador.

Revelações


E assim, esta primeira edição da Bíblia deísta termina aqui. Cabe a todos nós para sugerir inclusões ou exclusões. Todos nós editarmos a nossa própria versão. Onde vai nossa Bíblia a partir daqui é uma escolha individual. Um deísta não teria nenhuma outra maneira. As revelações que adicionarmos  aqui será revelações para nós sozinhos, mas a partilha é uma opção a considerar. As citações e idéias que coletamos pode ser benéfica para muitos outros deístas nos próximos anos. Ou a nossa Bíblia pode tornar-se demasiadamente pessoal e privada, para compartilhar. A escolha deve ser sempre nossa.

domingo, 29 de agosto de 2010

Princípios baseados no Deísmo da União Brasileira dos Deístas





A UBD detém três princípios importantes:
1. Nós acreditamos que Deus existe com base na razão reflexiva, a experiência pessoal e observação da natureza.
2. Acreditamos que a comunhão da comunidade, o respeito mútuo  são componentes essenciais da vida. Mas o poder mais nobre e mais importante nas relações humanas é a nossa capacidade de amar.
3. Nós acreditamos que nossos princípios devem evoluir com o progresso social e nosso conhecimento do universo.
Nós somos mais guiados por esses princípios (que não figura na ordem de prioridade):
1. Acreditamos que tudo que precisamos saber de Deus pode ser encontrado no próprio universo.
2. Nós não acreditamos que Deus age no universo de uma forma que contraria a lei natural, mas não nega a possibilidade.
3. Acreditamos que os seres humanos são capazes de ter experiências profundas de Deus, mas afirmam que tais revelações pessoais são verdadeiras só para si.
4. Nós acreditamos no valor intrínseco da vida na honestidade advogada, prudência, compaixão e justiça em nossas relações com o outro.
5. Acreditamos que as pessoas devem ser livres em todos os aspectos de suas vidas, desde que não perturbem a paz, a felicidade ou a segurança da sociedade.
6. Nós encorajamos todos a avançar a condição humana em sua capacidade pessoal para fazê-lo. No entanto, acreditamos que a religião deve ser separada do governo e nem esta nem qualquer princípio deísta deve ser usada para justificar posições políticas ou causas.
7. Acreditamos que a religião é um assunto pessoal guiado pelos ditames da consciência. Nós não defendemos os esforços para converter as pessoas ao deísmo, mas sim esforçar-se por promover o deísmo e educar aqueles que estão interessados.

domingo, 22 de agosto de 2010

Bem Vindos a UBD!





Olà amigos! Tudo bem?, podemos nos  considerar sem nenhuma religiosidade irmãos, no qual buscam a verdade e consequentemente a justiça. Muitos hoje que participam dessa união muitas vezes se viu confundido ha meio a tanta informação religiosa na qual não se indentificou ou até mesmo apelou para o ateísmo. A nossa meta como Deístas acredito eu, não quererendo ser superior a ninguém ou desmentir a Bíblia ou Alcorão, na qual existem também bom material, é a procura da verdade e da liberdade humana na qual se viu presa e ainda hoje é devido as constantes contradições que trouxeram guerras, mortes, corrupção, medo e mais desordem para o nosso planeta. Não defendemos Diabo ou Deus. Apenas acreditamos que existe um criador seja infuso ou difuso na natureza, e não acreditamos em revelação divina na qual tem espalhado muita divergência entre as próprias religiões. Buscamos Deus pela razão e a razão nos mostra evidências de que a Bíblia é falsa entre outras religiões. O mais interessante em nossa filosófia religiosa é o livre pensamento de como vc pensa a palavra Deus. Estamos com bastante projetos de fazermos um site, camisas e mais coisas sem nenhuma intenção financeira apenas para divulgarmos o conceito Deísmo no qual nos foi escondido por muito tempo, e propagar a quem tiver interesse. No mais so isso, descupe pelo meu Português. Muito Obrigado. Viva o livre pensamento. Pois para o verdadeiro crente há, apenas, uma única
fé, justiça igual e igual tolerância para toda a humanidade." Voltaire
 

[U.B.D] União Brasileira dos Deístas Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger