quinta-feira, 15 de outubro de 2015

O Nome da Rosa (Umberto Eco) - obra completa



O NOME DA ROSA 


- UMBERTO ECO - 



Sumário Completo

{# os títulos redirecionam, como links, para o texto desejado; é só clicar}



PRIMEIRO DIA 


Onde se chega aos pés da abadia e Guilherme dá prova de grande agudeza.

  
Onde Guilherme tem uma instrutiva conversa com o Abade.


Onde Adso admira o portal da igreja e Guilherme reencontra Ubertino de Casale. 


Onde Guilherme tem um diálogo doutíssimo com Severino, o ervanário. 


Onde se visita o scriptorium e se conhecem muitos estudiosos, copistas e rubricadores, assim como um velho cego que espera o Anticristo. 


Onde se visita o resto da abadia, Guilherme tira algumas conclusões sobre a morte de Adelmo, se fala com o irmão vidreiro de vidros para ler e de fantasmas para quem quer ler demasiado. 


Onde Guilherme e Adso gozam da alegre hospitalidade do Abade e da irritada conversação de Jorge.  


SEGUNDO DIA 


Onde poucas horas de mística felicidade são interrompidas por um sanguinosíssimo evento. 


Onde Bêncio de Upsala confia algumas coisas, outras confia-as Berengário de Arundel, e Adso aprende o que é a verdadeira penitência. 


Onde se assiste a uma rixa entre pessoas vulgares, Aymaro de Alexandria faz algumas alusões e Adso medita sobre a santidade e sobre o esterco do demônio. Depois, Guilherme e Adso voltam ao scriptorium, Guilherme vê qualquer coisa de interessante, tem uma terceira conversa sobre a legitimidade do riso, mas, em definitivo, não pode olhar para onde queria.
  
Onde Bêncio conta uma estranha história, por onde se ficam a saber coisas pouco edificantes sobre a vida da abadia. 


Onde o Abade se mostra orgulhoso das riquezas da sua abadia e temeroso dos hereges, e no fim Adso receia ter feito mal em andar pelo mundo. 


Onde, apesar do capítulo ser breve, o velho Alinardo diz coisas bastante interessantes sobre o labirinto e sobre o modo de ai entrar. 


Onde se entra no Edifício, se descobre um visitante misterioso, se encontra uma mensagem secreta com sinais de necromante, e desaparece, mal é encontrado, um livro que depois será procurado por muitos outros capítulos e vicissitude que não é a última é o furto das preciosas lentes de Guilherme.  


Onde se penetra finalmente no labirinto, se têm estranhas visões e, como acontece nos labirintos, ali a gente se perde. 


TERCEIRO DIA


Onde se encontra um pano sujo de sangue na cela de Berengário desaparecido, e é tudo. 


Onde Adso reflete no scriptorium sobre a história da sua ordem e sobre o destino dos livros. 


Onde Adso recebe as confidências de Salvador, que não se podem resumir em poucas palavras mas que lhe inspiram muitas e preocupantes meditações.  


Onde Guilherme fala a Adso do grande rio herético, da função dos simples na Igreja, das suas dúvidas sobre a cognoscibilidade das leis gerais, e quase por acaso conta como decifrou os sinais necromanticos deixados por Venancio. 


Onde se fala ainda com o Abade, Guilherme tem algumas idéias mirabolantes para decifrar o enigma do labirinto, e o consegue de modo mais razoável. Depois come-se queijo em pasteizinhos. 


Onde Ubertino conta a Adso a História de frei Dolcino, Adso evoca ou lê outras histórias na biblioteca por sua conta e depois sucede que tem um encontro com uma rapariga bela e terrível como um exército alinhado para a batalha. 


Onde Adso, transtornado, se confessa a Guilherme e medita sobre a função da mulher no plano da criação, porém, descobre depois o cadáver de um homem. 


QUARTO DIA 


Onde Guilherme e Severino examinam o cadáver de Berengário, descobrem que tem a língua negra, coisa singular para um afogado. Depois discutem sobre venenos dolorosíssimos e sobre um furto remoto. 


Onde Guilherme induz primeiro Salvador e depois o despenseiro a confessar o seu passado; Severino encontra as lentes roubadas, Nicolau traz as novas e Guilherme com seis olhos vai decifrar o manuscrito de Venancio.  


Onde Adso se debate nos padecimentos de amor, depois chega Guilherme com o texto de Venancio, que continua a permanecer indecifrável, mesmo depois de ter sido decifrado. 


Onde Adso vai procurar trufas e encontra os menoritas a chegar, estes têm um longo
colóquio com Guilherme e Ubertino e se sabem coisas muito tristes sobre João XXII. 


Onde chegam o cardeal do Poggetto, Bernardo Gui e os outros homens de Avinhão, e depois cada um faz coisas diversas. 


Onde Alinardo parece dar informações preciosas e Guilherme revela o seu método para chegar a uma verdade provável através de uma série de seguros erros. 


Onde Salvador fala de uma magia portentosa. 


Onde se visita de novo o labirinto, se chega ao limiar do finis Africae mas não se pode ai entrar porque não se sabe o que são o primeiro e o sétimo dos quatro, e por fim Adso tem uma recaída, aliás bastante douta no seu mal de amor. 


Onde Salvador se deixa miseravelmente descobrir por Bernardo Gui, a rapariga amada por Adso é presa como bruxa, e todos vão para a cama mais infelizes e preocupados que antes. 


QUINTO DIA 


Onde tem lugar uma fraterna discussão sobre a pobreza de Jesus.  


Onde Severino fala a Guilherme de um estranho livro e Guilherme fala aos legados de uma estranha concepção do governo temporal. 


Onde se encontra Severino assassinado e já não se encontra o livro que ele tinha encontrado. 


Onde se administra a justice e se tem a embaraçosa impressão de que todos estão errados.


Onde Ubertino se põe em fuga, Bêncio começa o observar das leis e Guilherme fez algumas reflexões sobre os vários tipos de luxúria encontrados naquele dia. 


Onde se escuta um sermão sobre a vinda do Anticristo e Adso descobre o poder dos nomes próprios.


SEXTO DIA 


Onde os príncipes sederunt, e Malaquias desaba por terra. 


Onde é eleito um novo despenseiro, mas não um novo bibliotecário.


Onde Nicolau conta muitas coisas enquanto se visita a cripta do tesouro.

  
Onde Adso, escutando O Dies irae, tem um sonho ou visão, como se lhe queira chamar.


Onde Guilherme explica a Adso o seu sonho. 


Onde se reconstrói a historia dos bibliotecários e se tem algumas noticias mais sobre o livro misterioso. 


Onde o Abade se recusa a escutar Guilherme, fala da linguagem das gemas e manifesta o desejo de que não se indague mais sobre aqueles tristes acontecimentos. 


Onde em breves palavras se contam longas horas de desvario. 


Onde, quase por acaso, Guilherme descobre o segredo pare entrar no finis Africae


SÉTIMO DIA 


Onde, para resumir as revelações prodigiosas de que aqui se fala, o titulo deveria ser tão longo como o capitulo, o que é contrário aos costumes. 


Onde sobrevêm a ecpirose e por cause da demasiada virtude prevalecem as forças do inferno.








0 comentários em “O Nome da Rosa (Umberto Eco) - obra completa”

Postar um comentário

 

[U.B.D] União Brasileira dos Deístas Copyright © 2011 -- Template created by O Pregador -- Powered by Blogger